Sistema patriarcal e seu declínio

É possível compreender a cultura pelo modo de vida das pessoas que estão inseridas na sociedade, através de reações, características e maneiras de agir, que por sua vez, estão vinculadas ao período histórico vivido por cada indivíduo.

Por isso, o patriarcado deve ser compreendido através da cultura estabelecida na sociedade, além de ser entendido como o sistema econômico e político de determinado período histórico.

É possível compreender que a sociedade patriarcal no Brasil teve como fundamento o período colonial onde o homem tinha o direito de controlar a vida das mulheres como se sua propriedade fosse, determinando os papéis que estas deveriam desempenhar (COSTA; MELLO, 1999).

Na cosmovisão do patriarcado o homem tinha o dever de trabalhar para prover o seu sustento e de sua família, a mulher, por sua vez, devia exercer funções domésticas, além de ser vista como mero instrumento para perpetuar a espécie. Era a mulher que tinha o dever de administrar as tarefas dos escravos, educar os filhos e ainda ser objeto sexual do marido (COSTA; MELLO, 1999).

No Brasil colônia era a família patriarcal que detinha os principais bens de capital, além de terem acesso à cultura intelectual, que por muito tempo foi destinada somente aos homens, assim como as funções políticas (BORIS; CESÍDIO, 2007).

Aos homens ainda era oferecidas mais regalias, pois poderiam viver uma vida dupla, sem que fosse questionada a sua honestidade, os prazeres sexuais fora do casamento era praticamente a regra, pois comportamentos poligâmicos era incentivados, principalmente com escravas e criadas, enquanto à esposa era reservada dedicação exclusiva a uma única família e marido (BORIS; CESÍDIO, 2007).

Por mais incrível que pareça, foi a religião e a medicina que começaram a enfraquecer, ainda que muito pouco, o sistema patriarcal. As mulheres passaram a se confessar com os padres e a família começou a contar com um médico de confiança, assim, como o passar do tempo estes passaram a exercer papel importantíssimo dentro das famílias (COSTA; MELLO, 1999).

Quando citamos período colonial e patriarcado, o primeiro pensamento que vem a mente é os senhores de engenho, porém, tal sistema também era reproduzido em grandes centros urbanos, por uma elite formada por comerciantes, profissionais liberais e funcionários públicos que ocupavam altos cargos.

O êxodo rural foi importantíssimo para enfraquecer o sistema, pois as mulheres que moravam no interior do país puderam ter a oportunidade de socializar com outras pessoas além dos membros das suas famílias, ademais, a "casa grande" acabava se tornando uma espécie de prisão, onde a visibilidade social das mulheres era mínima.

A mudanças para os centros urbanos além de conceder a oportunidade das mulheres se modernizarem intelectualmente, estas começaram a ser inseridas nos eventos do patriarca, que tiveram a ideia de levar as mulheres às festas para tornar o ambiente mais agradável.

No final do século XIX as mulheres da elite já estavam alfabetizadas e como o Brasil se tornou uma federação e elaborou a própria constituição isso contribuiu para o declínio do sistema, pois os patriarcas não eram mais os donos das cidades (D’ÁVILA NETO, 1980).

Com a industrialização, passaram a surgir mais profissões, os detentores do capital necessitaram aumentar a quantidade de funcionários, bem como ampliar o seu mercado e encontrar novos consumidores, sendo assim, as mulheres adentraram efetivamente o mercado de trabalho. O fato de as fábricas ganharem força, fez com que o patriarca perdesse o domínio da riqueza da cidade em que residia (BORIS; CESÍDIO, 2007).

Infelizmente, a legislação não evoluiu no mesmo compasso que a sociedade, sendo assim, o Código Civil de 1916 dispunha que ainda cabia aos homens todas as decisões dentro do casamento, além de continuar tendo a obrigação de prover os meios necessários para a sobrevivência da família e ainda ser o representante legal dos filhos e também da esposa. O homem também tinha a incumbência de administrar todos os bens do casal, inclusive os bens particulares da esposa adquiridos através de herança, por exemplo.

O Estatuto da Mulher Casada, promulgado no ano de 1962, deixou de reconhecer a mulher como civilmente incapaz, além de conceder a oportunidade desta adentrar no mercado de trabalho sem o consentimento do marido, concedendo também as mulheres o direito sobre educação e guarda dos filhos.

Obviamente que as mudança no mundo fático não ocorrem no mesmo compasso que as leis, porém, é importante o reconhecimento do Estado para implantar e desconstruir uma cultura, mesmo que aos poucos.

O Estatuto foi marco legal importantíssimo para o reconhecimento das mulheres como seres humanos, mas foi com a Constituição Federal de 1988 que a igualdade entre gêneros foi reconhecida.

Óbvio que foi o movimento feminista que promoveu grande parte dessas mudanças legislativas, pois por muitos anos o sistema patriarcal além de camuflar justificou as diferenças entre gêneros e este ainda está enraizado na cultura brasileira.

Acredito que esse post não contou 1% do que esse sistema representou e ainda representa na nossa sociedade, mas espero que vocês possam ter uma breve noção de como esse sistema político e econômico contribuiu para a formação da sociedade em que vivemos hoje.

Por isso, não deixe de compartilhar esse post com as pessoas que você ama, pois é só com conhecimento que alcançaremos igualdade.


REFERÊNCIAS


BORIS, Georges Daniel Janja Bloc; CESÍDIO, Mirella de Holanda. Mulher, corpo e subjetividade: uma análise desde o patriarcado à contemporaneidade Revista Mal estar E Subjetividade, vol. VII, núm. 2, setembro, 2007, pp. 451-478.


COSTA, Leonel Itaussu Almeida; Mello, Luís César Amad. História do Brasil. São Paulo: Scipione, 1999.


D’ÁVILA NETO, Maria Inácia. O autoritarismo e a mulher: O jogo da dominação macho-fêmea no Brasil. Rio de Janeiro: Achiamé, 1980.

<a href="https://br.freepik.com/fotos-vetores-gratis/carater">Caráter vetor criado por freepik - br.freepik.com</a>

12 visualizações

©2020 por Politicamente correto. Orgulhosamente criado com Wix.com

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now